Já se cuidou hoje?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Em momento de crise sempre queremos escutar as melhores soluções, especialmente aquelas que resolverão nossas aflições, que darão fim a nossas angústias ou nos darão esperança e alívio aos nossos pensamentos. Certo? Tudo bem, mas como enfrentar algo que não há precedentes e que aflige toda a humanidade. 

Essa resposta de 1 milhão de dólares ainda não foi dada, e acredito que nem será. No entanto, será que cada um não poderia ter respostas particulares e individuais primeiro? Será que não seria hora de lembrarmos das comissárias de bordo nas aeronaves nos pedindo que antes de ajudar a pessoa ao lado, precisamos colocar a nossa própria máscara de oxigênio. Alguns entenderão como uma atitude egoísta e individual, mas estamos em novos tempos, onde precisamos nos adaptar dia após dia, seja em nossas empresas, nos empregos, na família, em nossas casas e convivência. A pandemia nos trouxe uma nova era, ou será que o tempo das cavernas retornaram, onde estar seguro em uma caverna, no caso em nossas casas, era a melhor solução para sobrevivência, saindo apenas quando extremamente necessário.

Seguindo a linha de raciocínio de Murlio Gun, a qual aceitei de forma direta, abandonamos a era dos excessos, devemos repensar todas as nossas relações, prioridades e até mesmo nossos sonhos. E um sonho recorrente para os brasileiros sempre foi a moradia, a “casa própria”. Tenho certeza de que a leitura desse trecho do texto, já fez imaginar como poderia ser sua moradia, aquilo que pode melhorar, independentemente de sua classe social, local onde mora, se é prédio ou casa, e mesmo se sua residência é alugada ou própria. Pois é, diante de todos os pensamentos e suposições quanto ao futuro, tenho a clara sensação que a procura por casas e áreas menos densas retornará com força, não pela oferta, mas pela demanda. As pessoas avaliarão os imóveis pela sua qualidade espacial, pelas suas relações internas e externas ao ambiente.

Enfim, 15 anos atuando no mercado imobiliário, onde a máxima das viabilidades econômicas de “quanto mais melhor” é prioridade, vejo que esta será vencida. Não, não, será ajustada. Ajustada para quanto mais espaço melhor, para quanto mais vista, ar e conforto melhor. Lembrando que tal afirmativa está diretamente ligada ao mercado imobiliário, onde empreendimentos e soluções urbanas surgem em meio a orientação legal, definições por parte dos municípios e suas leis. A ocupação desordenada está mais além, requerendo maior análise, avaliações diretas ao atual tempo. No entanto, não será impossível os novos tempos também trazerem soluções mais integradoras e engajadas com políticas públicas sustentáveis. Bom, para o mercado imobiliário, se é para apostar, aposto nas casas e em empreendimentos com menor densidade. Só o tempo dirá. E na espera das respostas sigo me cuidando primeiro, para em seguida cuidar dos meus e ajudar ao próximo. Você já se cuidou hoje?

Neuroarquitetura

  Nunca foi tão exposto o fato de que espaço físico influencia diretamente no comportamento, e nas emoções humanas. Nesses tempos de

O preço e o valor.

  Esta semana resolvi trazer um ponto nada muito fácil de aceitar, mas gostaria de apresentar minha visão e análise de como

Vamos mudar a forma de pensar

Essa semana, pensei em inúmeros temas e fatos para transmitir a você leitor. Entretanto, o que prevaleceu em meus pensamentos, foi de